vamos falar de cerveja!

Pessoalmente, como sobrinho da dona Hilda Beatriz, prefiro beber do que teorizar sobre o tema. Como estou em horário que me impede de degustar, vamos falar/escrever! Ao ler que uma prestigiosa universidade de Porto Alegre está com um curso sobre a fabricação da deliciosa bebida, me inspirei pra falar do tema....

Cerveja é fruto de um acaso feliz, ou de uma mancada que deu certo. Na Mesopotâmia, ou pra ser exato, onde ficava a Suméria, ali onde ficava o Iraque antes de ser destruído pelo George WC Bush, era comum o cultivo de grãos. O pão era, e até hoje é, base na dieta. Aí vem a nossa Bioquímica. Pro pessoal que prestava atenção nas nossas aulas de Bioquímica, é fácil lembrar que o açúcar vira energia de dois jeitos: com ou sem oxigênio na conversa. Se não tem oxigênio, temos o que se chama de fermentação. Essa fermentação pode ocorrer de duas formas principais: ou gerando o ácido láctico, como no nosso corpo, ou gerando etanol e gás carbônico. Aí chega a nossa ceva!

Imagine há milhares de anos, por volta de 4000 a.C, um feliz grupo de agricultores armazena sua farta colheita dos grãos em urnas de barro. Lá pelas tantas, a chuva umedece os grãos. Dali sai um caldinho com cheiro peculiar, derivado da fermentação alcoólica. E alguém teve coragem de provar o caldo, sem torcer o nariz. E não é que era bom? Deixava o riso fácil, as pernas moles e a língua solta, não necessariamente nessa ordem...Os romanos batizaram, mais tarde, de Cerevisia, provavelmente em homenagem à deusa Ceres, a Démeter grega, a deusa dos Cereais.

O que era um acidente logo virou um processo de produção bem estabelecido. É interessante destacar que a cerveja sempre foi a bebida típica dos pobres, enquanto os ricos preferiam o vinho. Com a queda do Império Romano, no século V, os monges (que foram os únicos que preservaram a cultura escrita) preservaram a metodologia para fabricação de cerveja. Abençoados homens de Deus!!!

A cerveja disseminou-se principalmente no norte da Europa, região cujo clima úmido não era dos mais interessantes para o cultivo das vinhas. Logo, mais ceva!!! Uma alteração no processo veio no século XII, com Gambrinus (não é o boteco do Mercado), rei dos Países Baixos, que adicionou um primo da urtiga, o lúpulo, na formulação da cerveja. Bom, apesar de Gambrinus, os tchecos reivindicam para si a introdução do lúpulo na cerveja. Desde que fique boa, qual é a diferença???

Voltando pro laboratório... no século XIX, a fabricação de cerveja teve como aliada a efervescente produção científica. Louis Pasteur, Von Linde e Hansen contribuíram, cada um ao seu jeito, para a evolução da ceva. Pasteur conseguiu identificar, ao microscópio, as leveduras responsáveis pela fermentação da cerveja; também identificou os fungos e bactérias responsáveis pela sua deterioração. A pasteurização permitiu conservar por mais tempo os alimentos, inclusive a ceva! Linde, por sua vez, desenvolveu técnicas de refrigeração, possibilitando a fabricação de cerveja de baixa fermentação o ano inteiro. Hansen, comparando diferentes cervejas, distinguiu os diferentes tipos de leveduras, cada um responsável por um tipo diferente de cerveja. Cerveja também é cultura, galera!!!

Hoje em dia, temos muita gente fazendo sua boa ceva em casa, ou em microcervejarias. Sempre há uma novidade boa nas prateleiras, pedindo a companhia de uma boa comida ou um petisco de boteco bem ajeitado. De qualquer maneira, deu vontade de abrir uma garrafinha beem gelada quando chegar em casa!! Saúde!!!!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

histologia da próstata masculina

morfologia e histologia do Rim

biomembranas