poxa, Kara!

E nesta semana fechou mais uma temporada de um dos meus seriados de estimação, o da Supergirl. Final dramático, invasão dos daxamitas, com direito a quebra-pau entre Kara-Zor-El e o tal de Kal-El, o carinha do Planeta Diário que tira os óculos e se mostra o Homem de Aço. Lá pelas tantas, alguém teve a ideia luminosa de explorar a fraqueza dos daxamitas ao chumbo, para botar os aliens pra correr e ganhar a batalha. Tá, mas não foi meramente um abrir fogo e balear os caras, ao estilo das polícias do nosso planetinha. Foi, graças a um invento do calvo e egoístico Lex Luthor (e quem mais??), que foi pulverizada em toda a atmosfera o referido metal.

Pausa. Chumbo não é tóxico só pros daxamitas. É tóxico pra eles e toda a torcida do Corinthians, Flamengo, Grêmio, Barcelona, Bayern de München, Roma... Se os caras são mais sensíveis, deve ser por falta de expressão de metalotioneínas que façam o papel de quelar esses íons (uma vez biólogo celular, sempre biólogo celular), tento explicar o fenômeno à luz do que a ciência sabe.

Poxa, Kara, você é uma personagem legal, politicamente correta, mandou o Trumposo longe naquela passeata... e me faz uma papagaiada dessas? Poxa, pulverizar chumbo, ainda que em nanodoses, é tóxico pra gente e todo e qualquer ser vivo desse planetinha que vocês kryptonianos de S no peito adotaram.. os redatores podiam ter pensado antes de botar esse ovo via Canal Warner. Por outro lado, tem cara de "solução  final", ao estilo Hiroshina e Nagazaki. Detona tudo e estabelece a paz...Não me espanta, sob esse prisma, a solução apontada, aliás, pela mãe do Luthor.

Bom, ficamos aguardando a próxima temporada, e uma epidemia de Saturnismo na versão da Terra onde mora Kara-Zor-El e os demais personagens da supersérie....

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

histologia da próstata masculina

biomembranas

morfologia e histologia do Rim