valeu, revdo. Ernesto Cardoso!!

Pessoal, recebi a notícia abaixo, que faço questão de repartir! Me lembro ano passado, quando eu e o compadre Felipe Aço apresentamos uma canção bastante conhecida no cancioneiro ecumênico em um evento no IPA. "Momento novo" tem, entre seus autores, o saudoso e querido Ernesto Barros Cardoso.

E veio a simpática novidade. A Câmara de Jundiaí/SP votará nesta terça-feira (05/05) um Projeto de Lei que denomina uma rua da cidade com o nome do saudoso pastor. A proposta nasceu do diálogo de irmãos e irmãs da Igreja Metodista com o vereador Paulo Malerba: "Embora eu não fosse nascido quando ele foi pastor em nossa igreja, suas marcas encontram-se tanto na comunidade e como nos movimentos sociais da cidade, onde é lembrado por sua participação ativa e solidária", afirmou o vereador que também é membro da igreja.
Ernesto Barros Cardoso nasceu em Poá/SP, em 05/02/1957. Filho de Ismael Cardoso e Deolinda Navarro de Barros Cardoso, irmão de Ismael e Jessé. Foi líder da juventude metodista e ecumênica nas décadas de 1970 e 1980. Formou-se em teologia na Faculdade de Teologia da Igreja Metodista, em São Bernardo do Campo, SP, assumindo o pastorado da Igreja Metodista em Jundiaí no ano de 1980. Seu ministério foi marcado por forte apoio ao movimentos sociais de juventude e dos trabalhadores, fortalecendo as lutas democráticas na cidade. Em 1982, iniciou a construção da Igreja Metodista no Jardim Santa Gertrudes. 

Em 1983 mudou-se para a baixada fluminense, onde trabalhou como educador popular, professor do Instituto Metodista Bennett e assessor do Instituto de Estudos de Religião (ISER). Foi um dos articuladores do movimentos de renovação teológica e litúrgica na América Latina, autor de canções e textos publicados em todo mundo. Em 1991, criou e coordenou a Rede Ecumênica de Liturgia do Conselho Latino-Americano de Igrejas (CLAI). Foi assessor do Conselho Mundial de Igrejas, CMI, onde integrou o Grupo Consultivo de AIDS. Faleceu no Rio de Janeiro, com 38 anos, em 20/12/1995.

Eu tinha onze anos. Foi no Colégio Americano, primeiro encontro de juvenis que participei. Entre os preletores e preletoras, um jovem pastor de São Paulo, magrinho, óculos, que tocava violão animadamente e falava palavras profundas ao coração. Ali conheci o reverendo Ernesto Barros Cardoso. Por sua amizade com a então conselheira dos Juvenis, a pastora Iraci Strejevitch, era comum sua presença entre nós nos encontros e congressos regionais. Seu carisma, sua musicalidade, sensibilidade, seu jeito de ver o mundo, me tocaram e me ajudaram a fazer o homem que sou hoje. Lembro quando ele nos mostrou as canções de oficina do grupo do qual participava, orgulhosamente. Entre elas, "Momento Novo", da qual falei no início da blogada.

Homenagear Ernesto Cardoso é fazer justiça a um dos maiores teólogos que a Igreja Metodista e o movimento ecumênico já tiveram em seu seio.  Que Ele abençoe às pessoas que tiveram essa iniciativa! 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

histologia da próstata masculina

biomembranas

morfologia e histologia do Rim