Cotidiano (a bênção, Prof. Rene!)

O burburinho dificilmente fugia aos olhos de quem via a cena. Os olhos com lágrimas, beirando a indagação e a frustração, faiscavam no rosto do moleque. De suas roupas rotas e encardidas, as moedas, ganhas no semáforo, tilintavam e caiam. O segurança não quis saber. De uniforme impecável, ele, cujas mãos fortes torceram o braço do piá, esbraveja:
- Ô, guri, o que você tem na mão? Mostra!
O menino, diante do ar de inquisidor, responde, apavorado,
- Seu guarda, só quero comprar uma bolacha! “Tô” com fome, moço, o dinheiro é meu!
Em nada adiantara explicar que não roubava, roubara ou roubaria. A pobreza o condenava, e seu algoz, fazendo a "segurança" do mercado, o excluía dali. As bolachas, com as quais a fome seria mitigada, esfarelam-se nas mãos fortes do guarda, dentro do pacote. O suor escorria nervoso pela testa do guarda, na intensidade das lágrimas do menino.
- Moço, não me bate! Eu não sou ladrão!
- Tá, guri, sai daqui, esse mercado não é para o teu bico! Passa!
A pouca distância, meninos de idade pouco mais avançada, empacotando compras, escarneciam o deserdado da vida, como hienas diante de uma carcaça de zebra abandonada por leões. O choro copioso do menino segue como seu único companheiro pela rua. Enquanto isso, numa televisão da loja, a propaganda eleitoral desfiava o de sempre...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

histologia da próstata masculina

biomembranas

morfologia e histologia do Rim