vá pro inferno, deputado!!!

Não tem outra frase para iniciar essa blogada. Quer dizer, tem, mas este é um blogue família. O deputado federal catarinense Valdir Colatto/PMDB, o mesmo do Vampiro Mor, conhecido por decorar seu Facebook com fotos ao lado de animais mortos, tem um projeto de lei bem sem vergonha de sua autoria tramitando na Câmara dos Deputados. O objetivo: liberar a caça de animais silvestres.

O projeto de lei 6268/16 propõe que seja liberada a caça profissional de animais considerados silvestres. O deputado quer ainda que sejam permitidas reservas em propriedades particulares para a caça de animais silvestres. Alega o deputado que "seria como um pesqueiro", mas com qualquer animal que não seja domesticado e que não esteja em risco de extinção.

Como justificativa para sua proposta, Colatto cita o javali europeu, espécie trazida por pecuaristas e que atualmente é considerada uma praga por comer plantações. O javali europeu, que veio através das fronteiras com os países platinos, importado que foi para que os hermanos pudessem caçá-lo, deu um belo xabu quando o bicho resolveu sair das haciendas e comer roçadas de milho, cana e borregos novinhos. Hoje, é o único animal que tem caça permitida pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (IBAMA). Há outros animais introduzidos por aí, além do javali. O caramujo-africano, a pomba doméstica, o pardal, a lebre europeia, são exemplos. A questão é que há lei específica para o tema, dispensando os favores do sr. Colatto.

Para ajudar a legitimar a sua proposta absurdamente imbecil, Colatto incluiu no texto regras como a que destina uma porcentagem do lucro da caça profissional para a conservação da fauna. Vai entender...

A proposta do deputado Valdir Colatto prevê ainda que populações consideradas tradicionais poderão comercializar animais silvestres. Que bonzinho! O projeto regulamenta ainda o assassinato de animais quando estes forem considerados nocivos para a agricultura, o que deixa a coisa mais subjetiva ainda.  Isso inclui antas (não o deputado, mas o bicho, maior mamífero terrestre brasileiro), os porcos-do-mato, a capivara e outros vis assaltantes de lavouras.

O "gênio da raça" aí ainda prevê a caça de animais que "afetam os rebanhos". Coitadinhos dos pecuaristas, tem mais que matar as onças e pumas malvados, além dos horrorosos graxains, lobos-guará e outros seres perversos...e a natureza toma na tarraqueta de novo com mais uma ideia imbecil de um mentecapto com mandato...

Atualmente, a Lei dos Crimes Ambientais, de número 9605/98, e seu decreto regulador, o 6.514/2008, prevêm pena de reclusão de seis meses a um ano a quem “matar, perseguir, caçar, apanhar, utilizar espécimes da fauna silvestre”. A mesma lei diz que a pena pode ser triplicada se o crime decorrer do exercício de caça profissional. A proposta do deputado Colatto retira esse trecho da lei 9605/98 para permitir que esses atos, hoje considerados crime, sejam legalizados. Ou seja, rasgue-se a Lei. 

Caro deputado: seu projeto asqueroso deveria ser introduzido naquele lugar que todo mundo está pensando enquanto lê este blogue. Não bastam tantas pressões que a biodiversidade brasileira sofre, desde a ocupação das áreas nativas, as rodovias com caminhões e carros atropelando a bicharada, o agronegócio envenenando e retirando espaço de bichos, a redução da quantidade de presas dos carnívoros, a caça clandestina (sim, deputado, ela acontece ainda...), o abate de predadores (sim, deputado, ele ocorre...), entre trocentas ameaças. É muito mais inteligente preservar a rica biodiversidade do que sair dando tiro feito um insano. Os países africanos com biodiversidade faunística usam hoje o safári fotográfico como recurso econômico, ajudando a preservar sua fauna. Mesmo no Brasil, há fazendas que permitem os safáris fotográficos a onças, aves pantaneiras e outros bichos. Muitos pecuaristas conscientes (sim, existem) preferem que algumas cabeças sejam abatidas, em geral os bichos mais fragilizados por doenças, do que sair matando onças e pumas. 

O deputado quer que haja um retrocesso ao tempo em que o Brasil exportava sua biodiversidade animal direto, na forma de couros, peles, plumas, penas, carnes, ovos e outros...Isso impactou severamente a rica fauna brasileira. Animais como a anta, com registro histórico em todo o Brasil, hoje são ameaçados pela caça clandestina, que ainda ocorre, pelos pesticidas, pelas armadilhas colocadas para espantar os "ladrões de milho". 

Deputados e deputadas, se vocês têm um pouco de vergonha na cara, escorracem esse projeto de lei para a lixeira, urgente! Isso não pode acontecer! É mais um sinal do apocalíptico retrocesso brasileiro!

Só pra lembrar: o deputado aí votou a favor do impeachment. Alguém se espantou com isso?


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

histologia da próstata masculina

biomembranas

morfologia e histologia do Rim